Cuidado ao escolher uma clinica de recuperação / reabilitação em SP

clinica de recuperação em SP - Clinica de reabilitação em São Paulo

Adolescentes denunciam tortura e mostram marcas de violência em comunidade terapêutica evangélica

No dia em que Mateus * tentou fugir, estava muito calor. Era quase meio-dia, e esse garoto de 15 anos de olhos e pele escuros teve esse impulso. Eu não fiz planos. Pouco antes do almoço, ele percebeu que estava sozinho e ninguém estava olhando, então ele saiu correndo. Correu ao longo da fazenda até chegar à BR-354, que passava pela cidade de Itamonte em Minas Gerais e seguia pela divisa da Serra do Itatiaia em direção ao Rio de Janeiro. O desesperado Mateus trota no asfalto quente, sentindo o corpo todo ferver.

Confira também:

Sob o sol escaldante, ele se lembrou de correr por mais de 40 minutos. Até que uma caminhonete prateada se aproximou e parou na beira da estrada, o menino avistou o monitor da comunidade do Desafio Juvenil Maanaim, onde estava internado há quase nove meses. Entre socos e chutes, o homem de grande porte mandou o menino para dentro do carro sem precisar de muito esforço. De acordo com o relato do jovem, ao dirigir, o líder do esquadrão gritou e deu um tapa em Mateus, que estava exausto e se retirou para a porta do passageiro.

A viagem foi rápida, e em 15 minutos eles voltaram para a unidade juvenil da comunidade de cura do pastor Amarildo Silva, onde havia outras quatro unidades e uma igreja evangélica de mesmo nome. Conforme contou o relatório, assim que o carro parou, Matteus foi retirado do carro e levado para uma pequena sala ao lado do escritório para pegar mais coisas.

A violência é suficiente para fazer com que outros adolescentes da comunidade de tratamento ouçam o grito de Mateus por socorro do terreno onde fica o dormitório, conforme descrito no relatório.

“Desde então ele ficou assim: um olhar sem graça. Isso por causa do remédio que deram para ele, senhora”, explicou outro adolescente que havia internado na entidade. Colegas disseram que Matthew está muito animado desde que foi recapturado.

A psicóloga Janaína Dornas confirmou no dia 2 de outubro que a adolescente havia tomado antipsicóticos e sedativos sem receita médica.Na ocasião, um órgão público visitou a comunidade de tratamento após uma fiscalização de representantes do Mecanismo Nacional de Combate à Tortura da Linha de Frente Minera. Drogas e Direitos Humanos, Instituto de Direitos Humanos e Secretaria de Estado de Saúde Mental de Minas Gerais.

No alto da Serra da Mantiqueira, nos arredores do pequeno município de Itamonte, o centro de reabilitação de drogados promete curar todos os dependentes químicos com a palavra de Deus.

Encontre a sua clínica de recuperação ideal em São Paulo e ao redor do Brasil aqui na Capital Remoções

A Maanaim tem sido financiada publicamente por mais de 15 anos e executa um plano de tratamento importado dos Estados Unidos com base em estudos bíblicos e isolamento social. A fiscalização da Comunidade Terapêutica Desafio Jovem Maanaim foi deliberada pelo Ministério Público Federal (MPF) no âmbito de inquérito civil público, que ainda está em andamento em 2017 para apurar denúncias de infrações dentro da entidade. No início de outubro de 2020, o relatório foi acompanhado pelo convite do grupo de trabalho e descobriu que 38 meninos seriam submetidos a crenças religiosas diárias, ameaças e violência física.

Participaram da visita cinco psicólogos, uma assistente social, um historiador e um especialista do mecanismo nacional de combate à tortura.
Em uma manhã quente de sexta-feira, 2 de outubro, a equipe de pesquisa, além de Mateus, também encontrou meninos com sinais de agressão nos corpos de outros meninos da comunidade de tratamento (segundo relatos de adolescentes). Luís Felipe *, de 16 anos, tem uma ferida nas costas de difícil cicatrização: quando a ferida se forma, um golpe de vassoura reabre a ferida. Um adolescente que presenciou a cena há poucos dias disse que o cabo de madeira interrompeu as costas do menino e a força do golpe foi tão grande que o atingiu.

Além do ferimento nas costas, Luís Felipe também tinha uma marca verde-roxa do tamanho de um sabão em uma das panturrilhas, um hematoma na nuca e sinais de inchaço ao redor da boca.

A lesão mais recente marcará o menor sendo punido pela vigilância por violar as regras de tratamento do Desafio Jovem Maanaim, onde foi internado por acordo entre a entidade e o governo federal.

Há cerca de 25 dias, nesta entidade, o adolescente tentou dar sinais de agressão à mãe durante uma videochamada monitorada pela coordenadora do centro de reabilitação. “Eu e meu filho sabemos falar sem palavras. Na última ligação, ele tentou me mostrar essas marcas, como se não tivesse nada, para ninguém perceber”, disse a mãe do adolescente. Luís Felipe sabia que se condenasse o abuso, iria receber mais.

Sua família temia que, quando ele estava na indústria de tratamento, sua vida estivesse nas mãos do pastor que dirigia a instituição. Portanto, neste artigo, os nomes dos adolescentes e membros da família na comunidade de tratamento foram alterados. “Estou muito preocupada que essa reclamação leve a mais punições. Luis Felipe me disse que tinha medo de morrer ali”, disse sua mãe. O medo de imaginar uma criança morrendo na comunidade de tratamento não é infundado. Há dois meses, um adolescente foi assassinado na mesma instituição, onde ficou internado por sete meses, tentando se recuperar do uso nocivo de drogas.

Em agosto, três adolescentes limparam o chiqueiro sem atendimento até que, durante uma discussão, um preso atingiu Lucas Pedreira Rosa com uma enxada na cabeça, causando-lhe a morte. Estamos aqui para contar a história de Lucas.

Isolamento, trabalho e religião

Durante o exame, Pública entrevistou 11 adolescentes hospitalizados. Meninos entre 12 e 16 anos relataram que se sentiam prejudicados pelo uso de drogas e desejavam receber tratamento.
Quase todos foram hospitalizados em busca de ajuda. “Ouvi dizer que há médicos, médicos e psicólogos aqui, então minha mãe e eu pensamos que eu receberia tratamento”, suspirou um menino de 14 anos em voz baixa.
No entanto, em troca da promessa de tratamento, os jovens vivem uma vida de isolamento, trabalho e religião todos os dias. Quando eles não estão trancados na sala, eles se engajam no discipulado bíblico ou limpam a comunidade de cura. Eles dão aulas de psicologia sobre “desenvolvimento pessoal” duas vezes por semana e, em algumas tardes, podem jogar futebol ou bilhar.

Segundo relatos, devido à vigilância e ameaças constantes, os procedimentos de rotina são mantidos. Uma estagiária disse: “Aqui, se você cantar um samba, uma música que não é de Deus, você vai ser punido.” Segundo relatos, quem se recusa a fazer algumas tarefas de parturoterapia, como carregar blocos de construção ao sol, Também será punido.

Todos devem participar do serviço. Os presidiários só podem conversar com seus familiares em uma conversa de 10 minutos, no máximo uma vez por semana, e são sempre acompanhados pelo coordenador.

As cartas aos familiares são lidas pelo monitor. Os meninos disseram que, quando alguém infringe as regras, pode ser punido em diversos graus: tomar banho frio, dormir sem colchão, ser trancado em um quarto, esbofeteado, espancado com pau de madeira ou tomar psicotrópicos.

“É uma grande mentira fazer tratamento. O que existe é um programa para treinar corpo e mente”, disse Andreza Almeida, assistente social que acompanhou o exame no Maanaim. “Visitamos um galpão para jovens carentes que estão em tratamento compulsório sem base científica e com preconceito na prisão”.

Para Daniel Melo, especialista em mecanismo nacional de combate à tortura, “o que vemos é uma total falta de métodos de saúde”. O responsável pela “consulta de tratamento religioso”, controlando os presos e até mesmo distribuindo drogas, é o tutor, geralmente um adolescente que está há muito tempo internado ou um ex-presidiário que trabalha para a entidade.

A fiscalização revelou que, superficialmente, Maanaim contava com psicólogos e enfermeiras, mas esses profissionais apareciam ocasionalmente e não estavam envolvidos no dia a dia da entidade. “Não há preparação e a equipe não recebeu treinamento para lidar com os jovens. Sem ferramentas, eles recorrem às ferramentas mais primitivas, como o uso da força”, analisou Melo. “Acho que se eu vier aqui vai ter uma chance melhor. Na rua, fui ameaçado e espancado pela polícia … O problema é que quando eu chego aqui, vejo que tudo é na base de um golpe “, Desabafou um menino de 15 anos.

Encontre o tratamento ideal em clinica de recuperação em SP e ao redor do Brasil

CLinicas de reabilitação para dependentes químicos e alcoólatras

Ele disse que enquanto o prisioneiro estava acompanhado por outra unidade da clínica, alguém assobiou para uma menina. Quando os meninos voltaram para a unidade, os dois meninos foram conduzidos à sala de monitoramento. “Aí começou: bofetada, pontapé, soco.” Dois adolescentes espancados relataram que, ao espancá-los, um monitor da clínica coordenadora disse: “Sua menina, assobiar é tão desrespeitoso, você acha que ela se interessaria por drogas viciados? “. Essa história foi confirmada por outros dois presos que viram esses adolescentes sendo levados para a sala de vigilância. Os meninos espancados tinham 15 e 14 anos e ficaram internados há menos de um mês.

Todos os adolescentes entrevistados afirmaram que a violência contra eles ocorre todos os dias na comunidade de tratamento. Segundo o relato, o tutor adulto da entidade, além de um jovem tutor, agrediu o preso com cassetetes. Além deles, um coordenador também foi acusado de agressão pelo jovem. O especialista Daniel Melo (Daniel Melo) destacou:

“Mesmo que não seja utilizado, apenas a existência de um bastão coberto e totalmente preparado, segurado por um vigilante, constituirá um mecanismo de tortura psicológica”.

Rodrigo *, de 16 anos, é um adolescente que passou três anos e um mês internado no hospital de Maanaim.

Alguns meses se passaram, mas os pastores nunca pensaram que ele estava “curado”. “Cada vez que fico mais zangado, cada vez que aumentam minha internação como punição.” Hoje, ele e a mãe moram no interior de Minas Gerais. “Mas tenho certeza de que morrerei lá e ficarei preso lá”, lembrou.

Ele foi detido à força quando tinha 11 anos e relatou ter sido espancado inúmeras vezes. Para ele, o pior momento na clínica foi quando teve que ver três monitores de madrugada atacando um menino de 12 anos que havia roubado um pacote de biscoitos de outro colega. Ele acrescentou: “Muitas pessoas nem mesmo lhes dizem o que vivem lá, porque se soubessem, ninguém acreditaria. Eu nunca disse a ninguém”.

Longe do mundo

Teoricamente, a comunidade de tratamento segue os métodos de reabilitação espalhados em 130 países.

Fique longe do mundo e das coisas do mundo. Essa é a primeira condição para o tratamento de dependentes químicos na modalidade Desafio Jovem de Maanaim de Itamonte.

A base do Programa de Treinamento e Discipulado do Evangelho é o isolamento social e o Evangelho Cristão. Em entrevista à Pública, o pastor Wagner Zanelatto, presidente do Projeto Desafio da Juventude Brasileira, explicou que o projeto exige “que as pessoas em tratamento fiquem longe do meio social e da interação que leva ao uso de drogas”.

Além do isolamento físico, os moradores também precisam “o mundo” com eles, mantendo distância de seus valores e costumes. No caso Maanaim, os adolescentes afirmaram que só podiam ouvir música gospel. Livros que não envolvem o Cristianismo são censurados e outras crenças são consideradas demônios.

Este método é descrito no documento Global Youth Challenge, consultado pela Pública. Na introdução do curso no Brasil, foi descrito da seguinte forma: “O objetivo da primeira etapa do tratamento é interromper o uso de drogas, tornar-se seguidor de Cristo e aprender o modo de vida cristão”.

O tratamento é baseado na chamada “nova pesquisa pessoal cristã”, um conjunto de cursos que inclui: memorização de escrituras, lições bíblicas e leitura pessoal. De acordo com o documento oficial do plano, a natureza do desafio da juventude é formada pela fé, oração, evangelismo e dependência do Espírito Santo.

A metodologia baseada no “Fator Jesus” foi criada por David Wilkerson nos Estados Unidos na década de 1960 e desde então se espalhou pelo mundo. No Brasil, o projeto foi difundido principalmente pelo livro de Wilkerson “The Cross and Dagger” (um livro best-seller sobre evangelismo juvenil) e pelo pregador do Conselho de Deus Americano Bernard Johnson (Bernard Johnson Jr) .O pastor organizou um evangelismo em grande escala movimento.

A origem do Desafio Jovem Maanaim é extraída desta fonte. O pastor Amarido Silva, o dono da comunidade de cura, recebeu treinamento no movimento cristão influenciado pelo trabalho de Wilkerson e foi aprovado no Conselho de Deus e no Movimento de Reavivamento Carismático Católico. O pastor está empenhado na missão de evangelizar os jovens, fundou a sua primeira comunidade terapêutica há 30 anos e hoje, além da sua própria igreja, existem quatro unidades, também chamadas de Maanaim. Para o pastor Amareldo, o vício é visto como um problema de origem espiritual, enquanto os efeitos do uso de drogas são vistos como uma manifestação do demônio. Em seu livro “Como expulsar fantasmas: a unção de que você precisa”, o pastor usou mais de 146 páginas para descrever como resolver piedosamente os casos mais comuns do que ele chama de demonismo: depressão, opressão e vício.

Nas suas palavras, no trabalho, relatou o caso de um jovem toxicodependente estagiário em Maanaim, que era “a personificação do demónio”. Ele descreveu como a libertou da “depressão, vício, possessão e promiscuidade de Orissas” por meio de orações e sessões de exorcismo.

Em uma entrevista, o pastor explicou que quando a psicologia, a medicina e outros métodos usados no mundo da cura falham, ele usa rituais de libertação para “vencer a guerra contra o diabo” e desencadear um “novo nascimento espiritual”. Semanalmente, ele fará o serviço de “quebrar a maldição” na unidade de Maanaim.
Os rituais são freqüentemente muito ocupados, e as pessoas que “possuem” são “liberadas”. Aos olhos de alguns prisioneiros, esses rituais são emocionantes e ajudam a estabelecer uma conexão com Deus.
Para outros, são apenas promulgações e insultos a outras religiões, especialmente as de ascendência africana. Segundo relatos, durante o serviço, os presos devem repetir as orações do padre, que disse entre outras coisas: “Desisto de Yamanja / Desisto da masturbação / Desisto do lesbianismo / Desisto da homossexualidade …”.

Além de receber treinamento em igrejas evangélicas, o pastor Amarildo

Silva (Amarildo Silva) também já esteve quatro vezes nos Estados Unidos para participar do programa de treinamento “Desafio da Juventude” do Exército dos EUA.
“Fui lá para entender, para ver como eles faziam e para nos qualificar para trabalhar aqui”, disse ele à Pública em entrevista. Nos Estados Unidos, mais de 200 organizações usam esse método.
O plano era amplamente conhecido e apoiado por Bush no início dos anos 2000. Na época, a medida gerou polêmica.
Em entrevista ao The New York Times, os pesquisadores apontaram a falta de evidências científicas confiáveis para comprovar os resultados positivos de adolescentes ao questionarem o método.

Recentemente, uma investigação realizada pelo Reveal do US Investigative News Center condenou 33 clínicas para jovens nos Estados Unidos por explorar ilegalmente o trabalho de prisioneiros.

De acordo com o artigo, “o plano de recuperação é recrutar usuários para uma forma de escravidão, obrigando-os a trabalhar de graça ou a trocar um centavo de dólar por sua estadia.”

Em uma escala global, o Desafio Jovem é uma aliança que une comunidades de tratamento, formula diretrizes de tratamento e traduz materiais em mais de 60 idiomas, mas não tem influência direta nas unidades registradas.
Em entrevista à Pública, Randae Davis, representante do escritório global, afirmou que não tinha conhecimento de violações de direitos humanos na entidade de desafio à juventude. Ele também disse: “O plano acolhe a todos, mas porque é baseado na fé cristã, não pode aceitar o estilo de vida gay.”
No Brasil, além da comunidade de Itamonte, existem outras 29 comunidades que foram certificadas com o Selo Desafio Jovem, que podem aplicar o programa de padronização de Estudos Bíblicos.
Quatro das pessoas que usaram “Desafio Jovem” no nome apareceram no relatório oficial de reclamação e seu tratamento não era compatível. Ao contrário dos Estados Unidos, grande parte do trabalho aqui é financiado por fundos públicos.

Em 2019, a comunidade terapêutica em nome do “Desafio Jovem” recebeu 11,8 milhões de reais do Ministério da Cidadania.

O segundo maior valor de recurso pago à comunidade de tratamento é de 1,3 milhão de reais para o Desafio Juvenil da ETM (Escola de Treinamento Missionário), que é uma comunidade de tratamento que aplica o Programa Desafio da Juventude e se concentra no treinamento de igrejas missionárias. Até quatro anos atrás, a escola da missão fazia parte da Clínica do Pastor Amareldo.

“Mais um corpo para ganhar dinheiro”

Para a assistente social Andreza Almeida (Andreza Almeida), não há planos para permitir o tratamento eficaz da entidade. Isso ocorre porque “ignorar completamente o histórico médico único de cada paciente hospitalizado”.
A partir das entrevistas com os presos e da observação do prontuário da unidade, Andreza acredita: “A história médica ou a trajetória de vida dos meninos não importa, eles são considerados as massas”. Outra organização lucrativa obtém recursos por meio de convênios públicos.
Em muitos outros aspectos, o modelo de tratamento não está de acordo com os regulamentos desses centros de reabilitação no Brasil. Isso não é novidade. Em 2017, durante a Vistoria Nacional de Tratamento Comunitário, foram apontadas violações da função Maanaim.
Na ocasião, foi apontado que não havia uma equipe técnica qualificada e um plano de tratamento único para cada adolescente – situação que violava as normas básicas dos editais de financiamento público.

Também em 2018, o Fundo de Previdência Obrigatória lançou uma investigação para investigar e procurou pressionar o órgão responsável a agir após a descoberta da violação.
O despacho elaborado pelo MPF descreveu em detalhes a ilegalidade desse tratamento e mencionou: “A punição imposta aos presos na comunidade de tratamento Maanaim é muito próxima da tortura”.
O documento foi encaminhado à Secretaria Nacional de Política de Drogas (Senad) e à Controladoria do Estado de Minas Gerais (CGU), responsável pelo financiamento da vaga do Maanaim, solicitando ações de controle.
Na ocasião, o MPF encaminhou carta ao pastor Amarildo, diretor da entidade, solicitando melhorias na remuneração e ajustes na legislação. “Mas, infelizmente, depois disso, vimos que as medidas extrajudiciais foram esgotadas”, disse Lucas Gualtieri, o promotor encarregado da investigação.

As denúncias publicadas e os procedimentos iniciados pelo MPF há três anos

não são suficientes para coibir as infrações ou controlar o repasse de recursos ao Desafio Jovem Maanaim.
Em 2020, a unidade juvenil visitada pela Pública continuará a receber apoio de recursos públicos. Em setembro, 82% das matrículas matriculadas eram custeadas por fundos federais ou municipais. O governo paga 1.596,44 reais por mês para cada adolescente internado por meio de convênio federal. O valor pago pela prefeitura fica entre 800 reais e 1.200 reais.

No ano passado, R $ 820.636,74 na esfera federal foram utilizados para custear internações nos quatro departamentos do Desafio Jovem Maanaim, próximo a Itamonte – um atendendo adolescentes, outro atendendo mulheres de todas as idades e duas fazendas. “Sempre contamos com orçamentos públicos”, confirmou o proprietário da Maanaim, pastor Amarildo Silva, em entrevista. Segundo o Diário Oficial, considerando que nos últimos cinco anos, além do convênio com Brasília, a comunidade de tratamento recebeu financiamento de pelo menos 12 cidades.

Mas não só isso. Em 2019, Maanaim recebeu 150 mil reais do pastor associado Vanderlei Miranda (MDB) por meio de uma emenda parlamentar para a compra de uma van.
O investimento público abrangente da entidade não é acompanhado pelo mesmo controle de qualidade confiável. De acordo com as recomendações do plano oficial de monitoramento, Publika questionou a administração da entidade sobre as fiscalizações em âmbito federal, mas não obteve resposta específica, nem forneceu documentos que comprovem a fiscalização do controle de qualidade do tratamento. Durante três semanas, a reportagem convocou entrevistas com representantes da Secretaria Nacional de Prevenção e Atenção às Drogas (Senapred), órgão do Ministério da Cidadania responsável pelo atendimento às comunidades. Mas até este artigo ser publicado, não houve resposta.

“Como uma máfia”

A farmacêutica Stefania *, de 34 anos, entrou em contato com Maanaim pela primeira vez como estagiária em 2013. Em fevereiro de 2019, ela voltou à comunidade de tratamento como voluntária para cuidar de jovens. Lá, ela se apaixonou por um trabalhador (o nome do assistente do pastor na hierarquia evangélica), se comprometeu e tentou manter a rotina de trabalhar 24 horas por dia sem receber salário. “Não suporto mais ser um cúmplice ridículo”, lembrou.

Enquanto trabalhava no Departamento de Mulheres de Manem, ele viu meninas sendo espancadas quase todos os dias. “Estou cansada de ver uma adolescente amarrada e usando drogas por causa da rebelião”, disse ela ao relatório. Stefania explicou que uma das estratégias de controle dos presos é o uso de drogas. “Por exemplo, existe um 100 mg de neozine [um antipsicótico com efeito sedativo], uma receita deixada por um interno que o toma, armazena e usa quando precisa deter alguns insurgentes”, explicou.

Durante a fiscalização realizada em outubro, ficou claro que não havia prescrição médica de medicamentos para o menor fugido. Ao consultar o prontuário do adolescente, não foi encontrada receita para o medicamento que recebeu do monitor. “Eles injetaram Haldol Decanoato (um antipsicótico forte) sem fazer nenhum procedimento. Na rede de saúde, esse medicamento só pode ser usado no acompanhamento”, disse Andresa Almeida. De acordo com a bula, o medicamento só deve ser usado por adultos e uma vez por mês. “Foi relatado que aplicaram a esse adolescente a cada duas semanas, o que era ridículo”, lembrou Andresa.

Durante o exame, a psicóloga Janaína Dornas verificou o prontuário do adolescente que parecia drogado e constatou que faltava a prescrição mais recente. “O remédio dado a esse adolescente em outubro não tinha receita médica registrada. Quando perguntei ao médico responsável sobre o remédio, ele não respondeu. Obviamente, ele nem sabia que remédio havia sido prescrito.” Janana disse. O selo da receita antiga é do médico da entidade, o dermatologista Guilherme Mota Langiott. Quando questionado, ele não respondeu a perguntas públicas sobre a falta de receitas atualizadas.

“Era assim quando eu trabalhava lá: as pessoas tinham explicado a situação para o médico e ele prescreveu. Se faltar algum remédio, o coordenador geral vai buscar diretamente na farmácia do município ou na esposa do pastor (enfermeira-chefe de Santa Casa).) Tome remédio “, explicou Stefania.

Stefania acredita que as violações de Maanaim continuarão ocorrendo

porque o pastor Amarildo tem grande reputação e poder na área. Em sua página no Facebook, inúmeros são os relatos sobre o apoio de ex-presidiários e familiares que lhe agradecem por sua recuperação em Maanaim. Além de presidir a entidade, Amarido também possui uma igreja popular nesta pequena cidade de 15.000 habitantes. Dois outros funcionários da comunidade de tratamento ocupam cargos na prefeitura. Um dos administradores, Lucas Ferraz (Lucas Ferraz) é o atual ministro do Desenvolvimento Social, enquanto a filha da psicóloga e pastora Rebecca Silva (Rebecca Silva) trabalha na rede municipal de saúde. Em 2020, Marcos Vinícius Castro, outro administrador da entidade, concorre à MP do PDT.

Stefania disse: “Eles não têm medo de fazer as suas próprias coisas porque estão com muito calor nas costas”. Enquanto trabalhava na organização, o farmacêutico ouviu que as mães chamavam o padre para denunciar os filhos por violência. Para ela, “Amarildo finge não saber o que vai acontecer dentro da clínica, mas sabe. Tudo funciona como uma máfia”, concluiu. Publica perguntou ao pastor Amarildo sobre as queixas relatadas pelos jovens e suas famílias. “Somos caluniados. Trabalho aqui há 30 anos e tenho algumas pessoas que entendem meu trabalho e outras que dizem que 90% são mentiras”, disse. Em relação à violência física, o pastor disse que “os meninos foram induzidos pelo inspetor [fiscal] a mentir porque queriam ir embora”. Segundo Amarido, “Viciados, viciados em drogas, principalmente meus adolescentes mentem sobre tudo. Eles são manipuladores”.

Em entrevista, quando questionado sobre o bastão encontrado na reportagem, Amarido disse “sem bastão, sem bastão”. Sobre o fato do adolescente ser colocado no monitor e olhando para os outros presos, Amarildo disse que essa abordagem é benéfica porque “você dá ao adolescente um papel de fazer ele se sentir valorizado”. O pastor também explicou que controlar a comunicação entre os presos e o mundo – monitorando ligações e cartas – é necessário para evitar que os jovens entrem em contato com traficantes de drogas. “Todos os casos de condenação que eu encontrei aqui, eu provei que isso não é verdade, a gente vai cuidar dessa parte. A prova é que já estamos trabalhando há 30 anos. Nessa área, todo mundo conhece o nosso trabalho aqui: o serviço social Ator, juiz, promotor ”, concluiu o pastor.

  • Os nomes dos adolescentes e de certas fontes foram alterados para proteger suas identidades e evitar retaliação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Post

Clinica dependente químico e alcoólatra Rio de Janeiro RJ Itaguaí

Clinica de recuperação para dependente químico e alcoólatra no Rio de Janeiro RJ – Unidade Itaguaí – Masculina

Clinica de recuperação masculina no Rio de Janeiro, clinica masculina para alcoólatras no Rio de Janeiro, clinica recuperação RJ. Fotos:

Tratamento Involuntário através de clinica para dependentes químicos em SP

Tratamento Involuntário em SP Tratamento Involuntário para dependentes químicos em clinicas de reabilitação em São Paulo SP A CLINICA APSUA na cidade de Guarujá sp no litoral sul paulista está

Clinica de recuperação em SP que aceita plano de saúde / convênio médico – São Bernardo do Campo SP

Conheça agora as fotos desta incrível clínica de recuperação / reabilitação localizada em São Paulo – São Bernardo do Campo SP, Clinica de recuperação em SP, clinica de reabilitação em

error: Content is protected !!